Saturday, December 25, 2004

First Shopping!


Nao seria motivo para grande regozijo mas a verdade e que comecamos finalmente a fazer compras. Estava a ficar preocupado com a Claudia. Ela simplesmente nao consegue compra nada porque ... vai ficar tudo a 50% no Boxing Day.

Penso que a minha persuasao relativamente ao controlo do orcamento familiar foi um bocadinho longe demais e comeco a ficar com remorsos. Por isso nada melhor que comecar a fazer uma pressaozinhas para fazermos umas comprinhas.

Resultado final dois pares de calcas para mim e duas saias para a Claudia. Nem mais! Aqui nos States e Canadas compra-se tudo a dobrar! Na euforia das compras despachamos metade das ofertas que temos que levar para o people de Sao Miguel.

Ao fim de mais um dia desgastante nada melhor que um bom banho de banheira (ja nao tomava um destes pelos menos ha 1 ano e qualquer coisa) e jantar no melhor restaurante da cidade.

O jantar correu lindamente. Interior simplesmente contemporaneo, ambiente chill out, empregados super solicitos (cada prato que nos era servido era descrito desde o grao de pimenta ate a origem da carne) e uma comida simplesmente boa demais para o nosso paladar. E digo isto porque, na realidade, reconheco que nos acorianos e 95% da populacao mundial (portante nao estamos sozinhos) nao tem capacidade para apreciar totalmente este tipo de cozinha de fusao.

Nao estamos aptos porque neste tipo de cozinha a carne ou o peixe servem apenas de base, conduto, para a experiencia de sabores e aromas que temos oportunidade de saborear. E nao me estou a referir a quantidades porque apesar das porcoes pareceram minusculas eram perfeitamente adequadas.

Nao querendo falar muito mal do que se faz por Sao Miguel rapidamente fiz uma triste analogia com o lombo texano do Forno. Quando nos dizemos que vamos la porque o bife sabe a carne (e sal) e porque simplesmente nao sabemos o que e que sao bons temperos. Mas aqui tambem dou a minha mao a palmatoria e reconheco que cada um tem o que merece ...

Recomendo a todos que tenham oportunidade de vir ao Canada que nao deixem de visitar Montreal, vale mesmo a pena. Ja agora os precos das refeicoes (completas e com vinho ao copo) estao mais ou menos nivelados - 9 contos por pessoa.

So mais uma pequena nota para a garrafeira destes restaurantes. Alem de possuirem os melhores vinhos francese, italianos, californianos e chilenos, contam tambem com alguns espanhois e imaginem so tambem portugueses. E querem saber qual e a melhor parte, vendem vinho a copo o que para mim e optimo ja que como sabem a Claudia nao bebe alcool (pelo menos a refeicao). E nao pensem que sao os mais rascas. Para informacao no primeiro jantar bebi um Chateaux de Rotschild (nap sei como se escreve correctamente) e no Cube apreciei um Nieeports Vertente 2001 (simplesmente soberbo).

O JANTAR


O nosso hotel alem de ser o melhor da cidade (pela boca do afavel taxista) tinha segundo algumas revistas da especialidade, entre as quais a Wallpaper, o melhor restaurante de Montreal - o Cube.

Como queriamos estar a vontade com os horarios decidimos jantar no Cube apenas na quarta-feira. Para o jantar de hoje optamos por solicitar a ajuda das recepcionistas do hotel. E aqui comeca uma historia engracada.

A recepcionista fala-nos num Bistro a dois quarteiroes, que era muito bom mas tambem caro. Diz que se fosse nos escolheria o restaurante Globe. Ficava mais longe mas com o taxi incluido ficaria mais barato do que ir ao Bistro. Aceitamos a proposta ... Steve (o porteiro mais cool que eu ja conheci, tao cool que eu nem lhe consegui dar gorjeta) chamou-nos um taxi ... e la estavamos nos.

Fomos recebidos por uma modelo (so pode) com quase 1,85 metros (10 cm dos quais dos saltos dos sapatos que ela usava. O ambiente era moderno, mas sem nenhuma "extravaganza". Escolhemos a nossa mesa, o que nao e vulgar por estas bandas e iniciamos a nossa degustacao.

Ate aqui tudo corria bem, ingles salteado com um pouco de frances e estava tudo na maior. Chegamos a sobremesa e ai as coisas complicaram-se. A empregada, sempre muito simpatica tentou-nos descrever as sobremesas em frances e em ingles mas ... nada. Eu e a Claudia nao percebiamos patavina! Foi ai que ela disse: "No problem. Just wait a minute ... All the managers are portuguese ... I will ask someone to help me".

E assim foi. Conhecemos o gerente e um dos donos do restaurante. Para nossa surpresa (eu ja devia estar habituado a isto) os dois tipos eram de, imaginem so, Ribeira Grande!?!?!?

Com todos os restantes clientes do restaurante a interrogarem-se sobre quem seriam aqueles dois ilustres desconhecidos a falarem descontraidamente, pelos menos durante vinte minutos, com os "managers" acabamos por escolher a nossa sobremesa - um soufle de chocolate com gelado de baunilha, 2000 calorias, pelo menos.

Palavra puxa palavra estava na hora de ir andando. Sobremesa "pseudo-oferecida" (a empregada disse que era oferta, mas depois ela apareceu na conta, enfim ...) e um abraco de despedida, la regressamos ao hotel.

Pensando que as surpresas tinham ficado por aqui, fomos agradecer a indicacao a recpcionista. Surprise! Surprise! Ela vira-se para nos e diz: Ainda bem que gostaram, sabem e que eu trabalho la dois dias por semana em part-time, mas ... nao digam a ninguem por eles aqui no hotel nao sabem.

Ehehehe! E eu a pensar que este people era todo 100% integro. Continuo ingenuo demais ... Ainda bem. Assim o mundo ainda me surpreende...

Bienvennue a Montreal!


Parece que entramos noutro pais. Lingua diferente, pessoas acolhedoras (leia-se menos americanizadas), temperatura -40 graus, nao havia necessidade, as coisas ate estavam a correr bem.
Da ultima vez que tinha ca estado tinha ficado contente por apanhar neve e -9 graus. Agora so queria era uns miseros -10, eu nao pedia mais nada...

Chegados a estacao de Montreal apos uma viagem de quase 5 horas (sao mais de 600 km entre Toronto e Montreal e pelo menos 8 paragens) somos recebidos por um afavel taxista. Pedimos para que nos leve ao Hotel Saint Paul. Apos uns breves problemas de pronuncia com o meu frances o afavel condutor responde:

Oh ... houteel sant poul (a moda franciu!) ... e agora vem a melhor parte ... "you choose the best hotel in town, very good". A estadia ja estava garantida.

Se a descricao ja tinha sido boa entao constatar "in loco" o hotel foi simplesmente fabuloso. O pessoal era de uma eficiencia extraordinaria, o hotel tinha o interior mais depurado que ja pude encontrar, pude escolher CD's para ouvir no quarto (sim, tinha aparelhagem no quarto) e a decoracao dos espacos publicos e dos quartos era espectacular. Para quem nao resiste aqui fica o website www.hotelsaintpaul.com.

Feito o check-in e o xixi da praxe descemos ao lobby para iniciarmos a nossa visita a cidade. Eu e a Claudia trocamos ideias quanto a melhor forma de visitarmos a cidade e ficou decidido que iriamos a pe ate ao museu mais proximo (15 minutos a pe, pelo centro da cidade). Ao fim de um quarteirao, sim um quarteirao estavar a chamar um taxi tal era ... exactamente - o frio.

O resto do dia foi passado a visitar o museu, comer qualquer coisa e passear pela zona comercial subterranea - estes tipos parecem toupeiras!

Next post - O Jantar

THAT'S ENOUGH!

Assim nao da! Tenham paciencia...
Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2004, 12:00 p.m., temperatura -26 graus, sentem-se -35 graus ... (NEGATIVOS, SIM NEGATIVOS)

Saimos de casa na desportiva. Convencidos que as nossas roupinhas de europeu bom vivant seriam suficientes para debelar o frio que se fazia sentir. A tia da Claudia deixou-nos no TTC (street car, um meio de transporte estilo Metro do Porto). Ja dentro do dito juravamos que o aquecimento nao estava ligado. Passado quinze minutos chegamos ao nosso destino "Baie street". Saimos do TTC e o frio parecia ser suportavel. Para quem nao sabe esta paragem fica mesmo por detras da City Hall. Como e da praxe fomos tirar a fotografia em frente a dita, sem antes dar uma corrida para ver se nao comecavamos a congelar. Escusado sera dizer que a fotografia ficou tremida ... com o graus negativos a pelicula custava a rolar dentro da maquina (se calhar a culpa foi de nao ter luvas ... eheheh).
A partir daqui a nossa primeira incursao por Toronto resume-se a passear pelas zonas comerciais subterraneas da cidade. Passear ao ar livre ... fica para outra oportunidade.
Terca-feira, dia 28, vamos fazer nova tentativa ja que os museus so abrem neste dia.

Beijos e Abracos para o people.

Tuesday, December 21, 2004

Frio

A pensar cá com os meus botões, deparei-me com um dilema. Será que o nosso homem levou à letra o que disse, fez-se à vida e se acantonou pelas bandas canadienses, ou o frio aperta e está enroscado à beira de uma lareira???

Sunday, December 19, 2004

ESTOU QUASE A EMIGRAR!

A questao das cedilhas, acentos e afins ja sabem!

Tinha dito que hoje nao escreveria mais nada, mas sinceramente nao me contive. Na segunda voltinha de carro que dei tive a oportunidade de visitar alguns stands de automoveis.
Pois bem, mal cheguei a casa perguntei a Claudete se nao queria emigrar para o Canada. Cada vez que saio do nosso rectangulo a beira mar plantado e das suas magnificas ilhas adjacentes verifico que ao inves de estramos a realizar um processo de convergencia com a europa e o mundo estamos na realidade a divergir.
Se na minha ultima viagem a Bruxelas ja tinha ficado triste com a diferenca abismal do nivel de vida entre Portugal e a "Europa Central" agora fiquei arrasado!
Nao e possivel que num pais como este a gasolina custe 90 escudos (E VERDADE!) e um jipe Mercedes custe 5000 contos! SIMPLESMENTE NAO E JUSTO!
O mesmo em Portugal custa 210 escudos e 13000 contos.

Conclusao ... estou quase a emigrar!

WELCOME TO CANADA

Antes de mais nada desculpem a falta de acentos, cedilhas e afins ...

Welcome to Canada

E assim que nos saudam quando acabamos de passar o controlo alfandegario. Pessoal extremamente simpatico e cumpridor das suas funcoes. Tambem e verdade que a margem entre serem simpaticos e deixarem de o ser e minima. Se cumprirmos as nossas obrigacoes como qualquer cidadao canadiano entao nao temos que nos preocupar ... Se bem que isso nos primeiros dias nao seja muito facil, mas enfim!

Ultrapassada a fase do aeroporto dirigimo-nos ao parque de estacionamento. Simplesmente genial ... o paraiso para qualquer "amante" de quatro rodas. Exceptuando as "big trucks" tipo Dodge 150 e outras o parque automovel deste pais e espectacular. Viciados em SUV's os canadianos tambem gostam muito de berlinas, todas topo de gama. Carros europeus tambem ha ... BMW's, MERCEDES e VW's, so os melhores.

Ja tive oportunidade de dar uma voltinha de carro e e impressionante verificar a postura correcta evidencida por todos, sem excepcao. Durante vinte minutos circulei em vias urbanas e nao ouvi um, sequer um, apito. Velocidade maxima atingida 51 km/h, e ja ultrapassamos 1km/h o limite.

Voltando a minha vida caseira o primeiro dia nao correu nada bem. Nao estando habituado as diferencas de temperatura entre o interior das casas e o exterior levantei-me com uma dor de cabeca daquelas ... Engracado foi constatar que apos dar a tal voltinha de carro as coisas melhoraram e neste momento estao a piorar outra vez. Por isso, amanha e para Toronto downtown que nos vamos.

Como sou algo antiquado, pelo menos para a minha geracao, trouxe a minha velha "nova" maquina fotografica (entenda-se nao digital) pelo que nao posso colocar fotos deste pedaco de terra a beira lago plantado.

Hoje a noite temos o birthday do Jason, o primo encostado que eu ganhei casando com a Maria Claudia. Vamos ter uns cakes de arrebatar (ja ouviram falar de ice-cream cake!?!?!?).

Por hoje e tudo. Amanha teremos noticias de Toronto!

Friday, December 10, 2004

PROVOCAÇÕES...

Resposta a provocações automobilisticas e afins e sobre a origem do termo "RABIXIM" serão dadas quando eu tiver algum tempo livre. Mai-nada!

O CARNAVAL ESTÁ Á PORTA

É verdade,

Ainda não chegou o Natal e o pessoal já se anda a passar com o Carnaval. PUDERA!
O Coliseu vai abrir novamente as suas portas e agora (espera-se) com óptimas condições para a realização dos tradicionais e mui afamados bailes de carnaval.
É claro que eu poderia divagar sobre as origens destes bailes mas tenho que encurtar a versão para que os possíveis continentais que leiam este cantinho, fruto da globalização, não se babem de inveja.
Na realidade estes bailes (são só dois), juntamente com os bailes das duas sociedades recreativas existentes em Ponta Delgada, são uma das expressões mais tradicionais do carnaval português. Ao invés das palhaçadas de merda que se fazem no continente sem qualidade nenhuma em que se tenta imitar o Brasil (ó povo lusitano, o continental e o madeirense, mais estúpido) com uma amplitude térmica de quase 25 graus, o carnaval micaelense e açoriano é o mais rico em tradições próprias.
Tal como a dança de cadarsos no Norte de Portugal e o Desfile dos Cabeçudos (algures no centro de Portugal), os Bailinhos da ilha Terceira, os Bailes de Carnaval e a Batalha das Limas em Ponta Delgada resumem o que de melhor e sui generis se faz nesta época. Uma ressalva para uma tradição que se vem enraizando ultimamente e que é deveras um must nacional que são as mini-férias do carnaval passadas no Algarve ... sem comentários.
Voltando aos bailes do coliseu, são como não poderiam deixar de ser um acontecimento social. Poderia-se pensar que seriam bailes de sobranceria afirmação social mas antes pelo contrário são bailes muito ecléticos onde por algum tempo a sociedade micaelense se despe claramente de alguns perconceitos menos nobres. Por falar em vestes, estas juntamente com as bonitas "cestas", formam o par de características mais vincadas dos bailes. Por um lado, os homens nunca pareceram tão iguais, porque trajam obrigatoriamente todos de smoking preto (excepto algum pato bravo ou exibicionista), por outro as senhoras apresentam-se na sua máxima (ou na possível) explendorosidade trajando vestidos de noite. Por fim há as famosas cestas que não são mais do que cestos ou cestas de vimes todas ornamentadas com os mais diversos adereços e que contém as reservas de comida e em alguns casos (a maior parte) as de bebida para a noite.
As portas abrem-se às 10:30 para aquelas e aqueles que não querem perder nenhuma entrada de vista, mas o correcto será chegar pelas 0:00 e aproveitar até às 7 da matina. Depois só resta ir tomar o famoso pequeno almoço ao Café Mascote ou Royal e dormir...
Para os mais resistentes, na segunda-feira, ainda podem acordar pelas 2 da tarde e participarem na batalha das limas (esta e outras tradições como os dias de amigos(as), compadres e comadres ficam para os próximos posts).

Divirtam-se. Mas não se esqueçam do Pai Natal a 24/25 de Dezembro e do Ano Novo a 31/1 de Janeiro.

Wednesday, December 08, 2004

4 MESES A MATUTAR

Pois é!

Foram quatro meses sem escrever rigorosamente nada neste blogue recém criado. O vício dos blogs entretanto pegou-se-me e não tive outro remédio se não cá voltar.

Farto de visitar o Lapas e o Mai-Nada, que postam de duas em duas semanas resolvi tentar comprometer-me a postar regularmente por aqui.

Como é costume nestas merdas todas globalizantes estão todos convidados a comentarem os meus posts ou os posts daqueles que merecerem ter acesso directo ao blog.

Neste cantinho do mundo virtual irá-se discutir de tudo, especialmente política, economia, cultura - estes ficam sempre bem! - comida, bebidas, viagens, etc.

No etc está completamente vedada a discussão sobre futebol. Os restantes desportos são bem vindos.

Para já fico-me por aqui. Ainda estou no trabalho e não fica nada bem estar a teclar para o blog ... É por estas e por outras que o país está como está!

Tuesday, August 03, 2004

Era uma vez um Rabixim ...

Isto é uma experiência que pode correr bem!